CosmologiaFeng Shui

2021: Ano do Búfalo de Metal Yin

No dia 03 de Fevereiro de 2021, começou oficialmente o ano do Búfalo de Metal Yin, de acordo com o calendário solar chinês. É comum vermos nessa época várias pessoas trazendo informações sobre as tendências do ano, o que esperar dele, como se comportar etc. Realmente vamos falar de algumas tendências, mas minha intenção neste artigo não é fazer predições ou trazer respostas prontas, e sim mostrar um pouco do panorama energético em que estamos inseridos. Quem sabe isso possa auxiliar você, da forma que for, a lidar melhor com o seu próprio ano e fazer escolhas lúcidas, por conta própria.

Mas afinal, o que está acontecendo com o mundo?

Vamos falar um pouco antes sobre o contexto atual, pela visão da Metafísica Chinesa. Há alguns anos a estrutura energética do planeta vem sofrendo modificações, que tem impactado diretamente na forma como nós, seres humanos, assimilamos o Qi (“chi”) do planeta. Para explicar melhor sobre o Qi é necessário um artigo só para ele, mas aqui para nós podemos apenas considerar como uma espécie de energia vital neutra, que quando em contato com os seres vivos, pode se desdobrar em características energéticas especificas, que é o que chamamos de 5 Elementos.

5 Elementos (ou Wu Xing) é basicamente uma linguagem criada por sábios chineses para nos auxiliar a interpretar e trabalhar com essas características específicas do Qi.

Na figura ao lado podemos ver a estrutura de fluxo energético entre os elementos. Quando todos eles se manifestam em mesma quantidade, a tendência é de haver um fluxo natural, equilibrado e harmônico, representado pela linha circular externa.

Mas o que está acontecendo atualmente é que o nosso potencial de manifestação do elemento Água aumentou consideravelmente, enquanto o potencial de manifestação do elemento Terra diminuiu, causando um certo desequilíbrio no fluxo dos elementos como conhecemos. Isso não tem relação com as tendências anuais, é uma condição estrutural do planeta que estamos passando, de grande mudança energética para todos nós.

O aumento do potencial de Água representa um aumento da nossa sensibilidade, estamos sentindo muito mais a nós mesmos e aos outros, estamos mais empáticos, e sentindo um fluxo do espírito de maneira mais intensa. A água também fala sobre comunicação e trocas, não é a toa que vivemos na era da internet, aonde as informações atravessam o planeta em questão de segundos, muitas vezes até de forma descontrolada e exagerada.

Enquanto isso, a diminuição do potencial do elemento Terra representa um abalo sob as nossas bases, as referências de mundo como conhecemos, as nossas crenças e pressupostos, gerando um impacto significativo na nossa tradição, costumes, modelo de pensamento, e consequentemente nossas seguranças. Sim, estamos nos sentindo mais inseguros e sem chão, estamos fora da nossa zona de conforto, meio que navegando em alto mar, sem saber direito aonde vamos chegar.

Além dessa condição estrutural no planeta, ainda estamos em uma fase de transição entre períodos energéticos das Estrelas Voadoras (Xuan Kong Fei Xing), que são ciclos de influência energética com duração de 20 anos cada, que determinam um padrão de comportamento, pensamento etc. Para quem já fez a consultoria comigo, sabe que sempre falo sobre o período atual 8, que vai de 2004 até 2024. Mesmo que ainda faltem alguns anos, já estamos sentindo uma forte influência do próximo período 9 que entrará em 2024, o que pode dar a sensação de algo novo surgindo, mas com os mesmos padrões de comportamento de sempre, então ficamos assim meio confusos, com vontade de mudanças, mas sem mudar. Os mais conservadores podem sentir essa influência como uma ameaça e tentar a todo o custo manter as tradições e modelos de pensamentos.

2020: o ano do Rato de Metal Yang

Mesmo com tudo isso acontecendo, a nossa percepção dessas mudanças até então estava de certa forma diluída em meio a nossa rotina acelerada de mundo moderno. Foi quando entrou em 2020 o ano do Rato de Metal Yang, que é um animal de elemento Água, reforçando significativamente uma condição energética que já estava acontecendo há anos. Fomos literalmente engolidos por um tsunami energético do elemento Água.

A Água em si não é um problema, mas quando em excesso pode extravasar e consumir o elemento Fogo, seguindo um fluxo desarmônico entre os elementos, representado pela linha tracejada interna da figura ao lado.

O Fogo fala basicamente de alegria e vitalidade. Muita sensibilidade pode trazer uma dificuldade de expressão e confusão mental, além da sensação de esgotamento. Além disso, o elemento Metal Yang também entrou em 2020, que pode ser associado a todo o contexto da pandemia mundial, pela visão da metafisica chinesa. 

O metal trouxe uma espécie de “inverno energético” o ano todo, onde fomos obrigados a parar tudo, nos isolar (elemento Metal) e entrar em contato com as profundezas do nosso ser, aquilo que é mais desconhecido da nossa natureza, gerando medo (elemento Água). A Madeira também foi prejudicada pela presença do Metal, dificultando mais ainda a nossa expressão, criatividade e capacidade de revitalização.

Os impactos de 2020 foram brutais, tanto pelo contexto extremamente duro e difícil da pandemia com perdas imensuráveis, como por todas as outras consequências que isso gerou em todos nós, individualmente e coletivamente. A dura realidade de nós mesmos ficou escancarada entre as paredes do confinamento. Mesmo aqueles que minimamente já tinham uma certa experiência com a própria sensibilidade e relativo nível de maturidade, sentiram os fortes impactos do ano. Isso porque além de nós mesmos, estamos sentindo o caos interno uns dos outros, tudo junto e misturado. Não está sendo fácil e nós já sabemos disso.

A questão mais importante é: o que fazemos a partir das condições que nos foram apresentadas? Me parece que o momento exige uma reflexão profunda sobre isso, porque talvez o maior problema não seja apenas a pandemia, o governo, o aquecimento global, ou qualquer outra coisa externa, mas uma condição mais intrínseca da nossa forma de pensar como seres humanos, e o que isso está gerando como consequência em tudo a nossa volta.

O que esperar de 2021?

Acredito que no fundo todos nós já saibamos que 2021 é um momento de recuperação de todo o tsunami energético de 2020. Enquanto estamos no olho do furacão é muito difícil assimilar qualquer coisa e refletir sobre o que está acontecendo, por isso mesmo talvez 2021 seja a oportunidade perfeita para fazer isso.

Este ano podemos ver uma forte presença do elemento Metal, com média influência de Terra e um pouco de Água. A figura ao lado representa essa tendencia energética em termos de quantidade e proporção para 2021.

Todas as polaridades dos elementos são Yin, o que significa que teremos um ano bastante Yin, de recolhimento, ritmo, manutenção, retidão e reestruturação. A tendência é de voltar o olhar para dentro e para as coisas mais importantes para cada um.

O elemento Metal Yin nos trás esse sentido de relevância, prioridade e valores pessoais. Também pode nos auxiliar no sentido de organização e planejamento. Em seu lado negativo pode ser manipulação e articulações de forma indireta, para se obter o que deseja. Isso porque o Metal é um elemento de manutenção da ordem, por isso tende a gostar das coisas como são e mudar pouco, apenas de ajustando quando necessário, então este é um ponto de atenção, pois o momento que vivemos exige mudanças profundas. Mas por outro lado o Metal, junto com um pouco de Água, também pode trazer reflexões muito valiosas e revisão dos nossos valores, gerando mais coerência para nossas atitudes.

Terra Yin estará relativamente forte em 2021 e direciona o foco para as pequenas coisas e a manutenção da segurança pessoal. Para cada pessoa a segurança interior se traduz de forma diferente, mas em geral tende a se manifestar no ambiente da família e amigos mais próximos, porque está muito relacionado com uma segurança mais emocional, daquilo que te acolhe e nutre, e o faz sentir pertencente de algo. Como Terra é muito estável, tende a gerar estagnação quando nos prendemos em demasia em ideias fixas, apegos emocionais, tradições etc.

Como Terra e Metal estarão em evidência, pode ser que os aspectos materiais, sociais e econômicos tenham uma ligeira melhora, mas ainda assim com limitações. Estes são elementos de pouco movimento e mais conservadores, então não é um ano em que podemos esperar grandes mudanças no mundo. Talvez da nossa parte caiba apenas escolher de que forma iremos manifestar o potencial de cada um dos elementos, equilibrada ou desequilibrada, e fazer a nossa parte.

Também teremos um pouco de Água Yin, que continua reforçando toda a sensibilidade que falamos antes, por isso também é um momento de aprender a lidar melhor com os processos mais sensíveis e empáticos. Talvez isso signifique simplesmente se permitir sentir o fluxo, de forma mais rítmica e harmônica, sem tentar bloqueá-lo. Geralmente o que nos bloqueia é a tentativa de se agarrar a todo custo aos nossos pressupostos. Fica a dica.

Mas é importante tomar cuidado com o excesso de Água, pois como já falamos, pode extravasar e consumir de forma agressiva o elemento Fogo, que representa a nossa vitalidade, alegria, espontaneidade e sentido de vida. Por isso, apenas se permitir sentir não é suficiente, senão corremos o risco de nos afogar em Água.

Para que a Água tenha um fluxo mais harmônico e pare de prejudicar o Fogo, é necessário utilizar a Madeira, isso significa que é necessário expressar de alguma forma toda essa sensibilidade. Mesmo que no ano não tenha a influência da Madeira, este potencial existe em todos nós e podemos acessá-lo de forma consciente. Estar próximo da natureza pode ajudar a reconhecer esse potencial, mas a própria arte, música, dança, literatura etc. também são canais que podem nos auxiliar a expressar algo que ainda está muito abstrato no campo do sentimento.

Essa expressão sim, pode nos trazer mais Fogo, ou seja, uma vitalidade regeneradora e uma alegria interior que não pode ser comprada como um produto e nem fingida como uma foto no seu feed. É algo que precisa vir de dentro, sentido e expressado, dando assim mais sentido de vida para nossa existência, coisa que talvez esteja nos fazendo muita falta ultimamente.

Resumindo:

Estamos em um período de transição energética e grandes mudanças estruturais e as coisas não vão voltar a ser como eram antes. Pelo contrário, a tendencia é que essas mudanças continuem, e como fazemos parte deste planeta, algo em nós precisa mudar também. Precisamos nos responsabilizar pela nossa parte enquanto seres humanos integrantes de um planeta, e nas consequências que estamos gerando coletivamente. Talvez a maior questão esteja associada com a nossa forma de pensar, e não tanto com os problemas que vemos hoje no mundo. Não só em relação ao meio ambiente, mas em relação a nós mesmos como sociedade.

O nosso modelo de pensamento atual nos faz pensar que estamos todos separados e que uma ação isolada (boa ou ruim) não tem impacto na vida dos outros, mas é exatamente aí que está a questão. Não estamos separados. Somos todos parte dessa espécie única chamada homo sapiens que integra a natureza e o planeta. Cada pequena ação conta e impacta a vida de outros de formas inimagináveis, mas não vemos isso, simplesmente porque escolhemos acreditar que estamos isolados. A gente só consegue ver até o limite das nossas crenças.

2021 é o ano para repensar nossos valores e começar a ampliar nossos horizontes, a fim de fazer escolhas mais lúcidas, para que possamos expressar uma vida com mais sentido e alegria.

Compartilhe nas redes sociais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *